terça-feira, outubro 04, 2022

Quando o previsto deixa de ser inconcebível...

 Vale a pena ler... e reflectir (Público de ontem)






desUniãoEuropeia




sábado, outubro 01, 2022

Balanço necessário...

... num momento crucial da evolução e situação internacional  (para a Humanidade!)

 - Nº 2548 (2022/09/29)

Mentiras de guerra

Temas

Se hipocrisia e mentira pagassem imposto, os discursos dos dirigentes dos EUA, UE e Reino Unido na recente Assembleia Geral da ONU resgatariam as suas colossais dívidas públicas. É espantoso como os responsáveis por praticamente todas as guerras e agressões das três décadas anteriores (para não recuar mais) se apresentam qual virgens impolutas, clamando por direitos, pela Carta da ONU e pela soberania dos povos, que todos os dias esmagam com as suas acções.

Falam como se a intervenção militar russa na guerra na Ucrânia servisse de detergente para lavar os seus infindáveis crimes e os rios de sangue que têm feito correr por todo o mundo, no passado recente e menos recente. Falam como se a ofensiva dos EUA e potências europeias para impor o seu domínio por todo o planeta não estivesse na raiz da perigosíssima crise que a Humanidade hoje enfrenta. Mentem para esconder a realidade. E censuram de forma cada vez mais aberta para tentar sustentar a mentira.

O que advogam e organizam não é a paz, mas sim a confrontação directa com uma grande potência nuclear (a Rússia) e o mais populoso país do planeta (a China). É bem real o perigo duma catástrofe sem precedentes na História da Humanidade, mas os dirigentes dos EUA/RU/UE não se limitam a tocar a lira: sopram insistentemente para alimentar as chamas que atearam.

A visita de Pelosi a Taiwan e a instigação da escalada em curso são a velha técnica de atirar a pedra, esconder a mão e culpar os outros pelos estragos.

 

Planos de guerra antigos

Os planos de confrontação e guerra dos EUA não são novos. Há mais de 20 anos o General Loureiro dos Santos formulou-os numa entrevista ao Diário de Notícias (13.3.00) à qual o jornal dedicou a manchete: «Guerra mundial é inevitável».

A hegemonia planetária dos EUA era então incontestada. Putin acabara de chegar à Presidência duma Rússia à beira do colapso após anos de receitas económicas dos EUA. Xi Jinping era dirigente local dum país que não dera ainda o seu grande salto económico. Mas já Loureiro dos Santos antevia que «é natural que [surjam] outras potências [… que] reúnam capacidade para se opor ou desafiar os Estados Unidos. E os Estados Unidos precisarão de actuar. Isso não será para já, mas dentro de 15, 20 anos é praticamente inevitável».

Os EUA «precisarão de actuar», não por serem vítimas de qualquer agressão, mas para impedir que alguém se possa «opor» ou «desafiar» a sua ditadura planetária. E actuar como? Loureiro dos Santos, que pelas suas funções seguramente conhecia o pensamento reinante nos EUA e NATO, antevia explicitamente uma guerra «para daqui a 20 anos».

Três anos antes da intervenção russa na guerra na Ucrânia, outro alto oficial, o Major-General Carlos Branco, preveniu para o perigo dum confronto globali: «A situação que vivemos tem poucas semelhanças com a da Guerra Fria. Já nos encontramos numa fase mais avançada da confrontação que se reflete na militarização dos discursos e das agendas políticas. […] Uma nova guerra que pode acabar com a vida na Terra vai-se tornando cada vez mais provável e tem de ser impedida».

 uma intensa campanha em torno de declarações de Putin sobre armas nucleares, que foram deturpadas mas não podem deixar indiferentes todos quantos compreendem a seriedade da actual situação e do seu agravamento. Mas convém relembrar que em 2017 o Major-General Branco escrevia: «Michael Fallon, Ministro da Defesa do Reino Unido, admitiu a possibilidade de um ataque nuclear preventivo contra a Rússia». «Não há memória, durante a Guerra Fria, de altos responsáveis das grandes potências ameaçarem o oponente com ataques nucleares preventivos; ou o atrevimento de violarem as suas instalações diplomáticas», numa referência ao sequestro dum consulado russo nos EUA, no tempo de Trump.

No seu livro de 2020, o General Branco discutiu as novas doutrinas militares dos EUA, a forma como visavam a supremacia nuclear e alargavam as condições para a utilização de armas nucleares. Escrevia: «A opção nuclear tática foi também pensada para confrontos de âmbito regional, contra o Irão e/ou Coreia do Norte […] onde se consideram desaconselhadas as intervenções convencionais». Vem à memória o artigo dos ex-Ministro e Vice-Ministro da Defesa de Clinton, que em 2002 (Washington Post, 20.10.02) escreviam, eufóricos, sobre como em 1994 «preparámos os planos para atacar as instalações nucleares da Coreia do Norte e para mobilizar centenas de milhar de tropas americanas para a guerra que provavelmente se seguiria». Nicholas Kristof (NY Times, 28.2.03) falava em «planos secretos e assustadores», onde «até se fala da hipótese de usar armas nucleares tácticas».

O ataque dos EUA nunca se concretizou porque o então Presidente da Coreia do Sul, Kim Young-Sam, ao contrário de Zelensky, não aceitou sacrificar o seu país aos desígnios hegemónicos dos EUA (France Presse, 24.5.00, Avante 22.1.15).

O General Branco dizia ainda, a propósito dos perigos das novas estratégias militares dos EUA: «Num quadro em que a potência dominante vê a sua liderança ameaçada, não é uma mera figura de retórica equacionar a possibilidade dos EUA travarem de forma violenta a ascensão do competidor. São vários os indícios que credibilizam essa hipótese. […] Estranha-se o silêncio dos críticos de Trump sobre este tema central, enquanto consomem energias com assuntos periféricos e de importância duvidosa».

As razões desse silêncio estão à vista: os objectivos de imposição pela força da ditadura planetária dos EUA não são exclusivos de Trump. São partilhados por toda a classe dirigente dos EUA.

Esse facto é de há muito evidente. Recorde-se a guerra da NATO contra a Jugoslávia em 1999. Uma guerra ilegal, de agressão, violadora do direito internacional, que redesenhou as fronteiras da Europa e tudo o mais que hoje se proclama ser inaceitável e ter de ser combatido nem que seja à custa da guerra global. Que foi desencadeada pela NATOno auge da hegemonia unipolar dos EUA, acompanhando o primeiro de sucessivos alargamentos em direcção à Rússia.

Uma guerra na qual os EUA bombardearam a Embaixada da China. Uma guerra que evidenciou que o fim da ‘Guerra Fria’ representava o início duma nova fase de expansão planetária do imperialismo, com os EUA à cabeça e a guerra (quente) como ferramenta central. Essa guerra foi protagonizada pelo Partido Democrático nos EUA (Clinton) e pela social-democracia (e ‘Verdes’ alemães) que então governava na maioria dos países da Europa. Incluindo, em Portugal, um governo PS, então chefiado por António Guterres, actual Secretário-Geral da ONU.

 

Mentira e censura

É feroz a actual ofensiva mediática. Como sempre acontece com a propaganda de guerra, baseia-se em mentiras reiteradas e repetidas mil vezes, até se tornarem «verdade» na cabeça de quem escuta.

Quem ouviu Biden na ONU terá dificuldade em acreditar que falava o presidente do país que mais guerras e agressões desencadeou; que destruiu o Médio Oriente, o Norte de África, os Balcãs, o Vietname, a Coreia; que organiza sistematicamente golpes, subversões e bloqueios contra quem não se submete (como a Venezuela, Bolívia, Cuba ou Brasil); que tem mais de 750 bases militares em cerca de 80 países (Al Jazeera, 10.9.21); que dispõe do maior orçamento militar do planeta (mesmo sem contar com a CIA e outras agências); que se acha no direito de nomear «presidentes» de outros países (Guaidó). Os EUA são o único país que já usou armas nucleares. Tem um longo historial de uso de armas químicas e biológicas.

A mentira acompanha todas as guerras do imperialismo norte-americano. Na colonização e extermínio dos índios da América do Norte; no «afundamento do Maine» que marcou o início da expansão além-mar dos EUA; na fraude do Golfo de Tonquim (Pentagon Papers), pretexto para a escalada da guerra no Vietname; no inexistente «genocídio» para justificar a guerra contra a Jugoslávia; nas conhecidas patranhas sobre as «armas de destruição em massa de Saddam Hussein».

A extensa lista inclui as mentiras do presidente dos EUA para justificar o seu crime atómico contra o Japão. No discurso de 9 de Agosto de 1945, Truman disse: «O mundo registará que a primeira bomba atómica foi largada sobre Hiroxima, uma base militar. Tal deve-se ao facto de querermos, neste primeiro ataque, evitar tanto quanto possível, a morte de civis»ii. O que o mundo registou foi que o presidente Truman (que Biden evocou no seu discurso perante a ONU) mentiu descaradamente. A bomba atómica foi largada sobre o centro de Hiroxima, cidade de 250 mil habitantes. Pelo menos 70 mil pessoas morreram de imediato, na sua grande maioria civis. Três dias depois os EUA lançaram nova bomba atómica sobre outra cidade, Nagasáqui. Nenhum presidente dos EUA alguma vez condenou esses crimes.

Para as mentiras singrarem, precisam também de calar a informação. Por isso se vai generalizando a censura e intimidação. A comunicação social de regime é cada vez mais mera propaganda. Ocultou o papel dos fascistas no golpe da Ucrânia, na repressão aos seus opositores, o massacre de Odessa em Maio de 2014 e os oito anos de guerra do regime de Kiev sobre as populações do Donbass. Julian Assange, perseguido desde 2010, está detido numa prisão de máxima segurança do Reino Unido, não por cometer ou preparar qualquer acto de violência, mas por divulgar no Wikileaks a verdade sobre as mentiras das guerras dos EUA. Facebook e outras redes anti-sociais, são cada vez mais censuradas e controladas directamente pelos serviços secretosiii. A UE proíbe canais de televisão. Um juíz acaba de decretar que o relatório do Senado dos EUA sobre a tortura nos campos de concentração da CIA será mantido secreto por «comprometer a segurança nacional» (Los Angeles Times, 15.9.22).

A ferocidade dos ataques ao PCP faz parte desta campanha. O PCP é atacado, não por ser «putinista» (que não é) ou por apoiar a guerra na Ucrânia (que não apoia), mas por não aceitar ser apologista da confrontação global que os EUA e a NATO preparam desde há muito contra a Rússia e China, nem da suicida política de sanções que destrói o nosso continente para servir o imperialismo norte-americano. Somos fiéis ao exemplo dos fundadores do nosso movimento comunista, que se recusaram a apoiar o desastre que os seus governos preparavam há mais de 100 anos. Outros há que escolhem servir o caminho da catástrofe.

Jorge Cadima

____________________________________________________________________

i As citações seguintes são do livro do Major-General Branco, «Do fim da Guerra Fria a Trump e à Covid-19. As promessas traídas da ordem liberal», Ed. Colibri, 2020, páginas 49-51.

ii Gravação disponível em www.trumanlibrary.gov/soundrecording-records/sr61-37-radio-report-american-people-potsdam-conference (minuto 22,32). Veja-se também o artigo Why the atomic bombing of Hiroshima would be illegal today, em www.tandfonline.com/loi/rbul20 no Bulletin of the Atomic Scientists de Julho 2020 (doi.org/10.1080/00963402.2020.1778344).

iii«Meet the ex-CIA agents deciding Facebook’s content policy», de Alan McLeod, mintpressnews.com (12.7.22). 

segunda-feira, setembro 26, 2022

Imagem do dia!


IMAGEM DO DIA


Um cidadão cubano vota numa escola de Havana, a 25 de Setembro de 2022. Até às 14 horas locais, mais de 5 milhões de leitores, 55% do universo elegível, já tinham votado no referendo sobre o novo Código de Família, cujo texto elimina qualquer vestígio de discriminação no âmbito familiar, reforçando significativamente os direitos das mulheres, da comunidade LGBTIQ+, dos idosos e das crianças 

CréditosYander Zamora / EPA

Deformatações

do (quase-)diário (pgs. 7293 a 7297 no caderno 202):

26.09.2022

Os dias começam pelo correio chegado, com particular atenção para o que canaliza (nunca inocentemente) informação.

 &-----&-----&

Sobretudo, a que nos informa a todos, visando informatar-nos, e que, dispondo de meios enormes e poderosos (do poder…), ocupa o espaço informativo, impede, quando não amordaça, qualquer outra informação que não a que serve o poder, as forças que dominam as relações sociais.

&-----&-----&

Sobretudo e sobre todos, a informação que tem e impõe o seu léxico, feito de valores e conceitos que são utilizados como se estivessem definidos, fossem definitivos e indiscutíveis, absolutos e consensuais; 

a informação que discorre com base em análises temporais e/ou com números que são falseados e ajeitados como conveniente, sem se hesitar no seu próprio e sequente desmentido temporal.

&-----&-----&

É, em todas as minhas/nossas manhãs (minha nossa!...), o confronto com esta agressão a quem possa, minimamente que seja, ter dos mesmos afirmados valores e conceitos definições diferentes (por pequenas que possam ser as diferenças);

esta violenta agressão a quem não aceite o que lhe é dado como definitivo e indiscutível, a quem se ache no direito de pôr em causa o absoluto ou dogmático e que, por isso, não aceite decretadas consensualidades.

&-----&-----&

Dois exemplos de hoje, desta manhã, motivadores desta quotidianamente suscitada questão da unicidade da informação, da formatação das consciências:

&-----&-----&

Lê-se no Expresso curto que nos entra casa:

             1.      … volta a atirar o mundo para uma inesperada crise económica, com valores de inflação a fazer disparar os custos de vida e a perda de rendimentos.(…)

&-----&-----&

“… inesperada crise económica, com valores de inflação…”?!, mas quantas vezes, e por quantos, foi prevista a crise económica, se previu (e preveniu) o disparar dos valores da inflação?...

&-----&-----&


… beliscando desejável pudor de auto-citação, lembro intervenção minha em acto comemorativo do centenário da Seara Nova, em que glosei o mote, prevendo, sem reservas nem agravamentos… inesperados, a crise que aí está

&-----&-----&

Mas há mais (e melhor!):

             2.     Uma das questões que se coloca é saber como pode a Europa lidar com a ascensão de partidos, democraticamente eleitos, mas que fazem muitas vezes da intolerância, do extremismo e da radicalização o centro do seu discurso político.

 &-----&-----&

Desde logo, assalta-me e agride-me a pérfida contumácia de se considerar a Europa igual a uma União Europeia, que é organização de Estados membros em construção que, mesmo que fosse construída-constituida por todos os Estados ou países do continente Europa, não poderia substituir a Europa, entidade histórica, no sentido que este adjectivo tem…

&-----&-----&

… a União Europeia não é, nunca será, o princípio (nem o fim da história)  da Europa, substituindo-a.

&-----&-----&


Depois, há quem se arrogue distribuidor de atestados de democraticidade, a partir de um conceito que, em vez de se basear em cidadania igualizadora de direitos sociais – o que nada tem a ver com igualitarismos primários e falsificadores –, tem um único critério: o das eleições de representantes por eleitores socialmente desiguais, com diferente informação e desinformados, a maioria deformatada.  

&-----&-----&

Esse é o perfeito espelho-reflexo do que, por via da intolerância e da radicalização da prática de uma aparente centralidade, leva, eleitoralmente, ao extremismo da intolerância e da radicalização anti-social, anti-democrática sem quaisquer limites de um qualquer conceito elástico ou redutor de democracia.  

&-----&-----&

  A que há que resistir, agora como sempre.