quinta-feira, setembro 28, 2017

Comunicado 12




CDU – autárquicas de 2017

COMUNICADO nº 12

Ainda no mês de Julho, a CDU-Ourém iniciou esta série de comunicados com a intenção de contribuir para informar os oureenses sobre alguns aspectos que pareceram mais oportunos, e de esclarecer porque e com quem se candidatava à Assembleia Municipal, à Câmara e a 8 das 13 assembleias de freguesia como representantes de todos nós. Este seria o 12º comunicado e, como todos os outros, seria de responsabilidade colectiva. Mas quis o 1º da lista à Câmara, após os debates e entrevistas que protagonizou, fazer uma declaração sob a forma de carta aberta e pública. Ela preencherá este último comunicado, e é de sua exclusiva autoria e responsabilidade.

__________________________








Carta aberta aos conterrâneos

Caros vizinhos,
            Esta não é primeira vez que vos escrevo uma carta aberta e pública. A primeira foi em 1976, só então possível. Há 41 anos, nas primeiras eleições autárquicas! Esta será, muito provavelmente, a última.
Pela 11ª vez me apresento como candidato a vosso representante nos órgãos do Poder Local democrático, como tinha o direito e achei que tinha o dever de o fazer. Sempre o fiz e faço com o único intuito de vos representar e lutar pelo que considero ser o vosso interesse como habitantes desta terra que estimo como nossa. Em 5 mandatos – e apesar de tudo… – as listas em que estava incluído mereceram os votos necessários para que eu tivesse sido membro da Assembleia Municipal. Procurei representar-vos respeitando os compromissos assumidos e com o que tanto prezo: a lealdade e a coerência. Muitos erros terei cometido na minha já longa vida mas nunca poderei ser acusado de ter procurado enganar alguém com falsas promessas e em proveito próprio.
Não apelo ao vosso voto. Não faço apelos a votos na CDU, no Partido de que sou militante há 60 anos, muito menos faço apelos a que votem em mim. Convoco-vos a que tomem posição informada, a que votem onde vos ditar a consciência, a que participem na definição dos rumos que devem ter as nossas vidas.
As saudações de um vizinho