segunda-feira, novembro 24, 2014

Reflexões lentas - a contra-face "indisível" do empobrecimento social

A situação é muito séria! Não dá para graças, e não as estou a tentar. Não,  não se trata de jogo de palavras, não se trata (apenas) de uma "questão de estilo". Trata-se de procurar palavras que traduzam a seriedade (e profundidade) da situação que estamos a viver, com tudo o que comprova a instabilidade e a podridão em que mergulhou o regime em que vivemos, nesta fase do capitalismo. Aqui. Neste nosso Estado de direita que se disfarça e arroga de Estado de direito.
A estratégia aplicada, lentamente ou aceleradamente segundo o condicionamento do contexto geral e geográfico em que nos integramos e a correlação de forças sociais, tem-se traduzido no empobrecimento social, na saúde, na educação, na segurança, na estabilidade. E na cultura. E na ética.

Mas a estratégia tem duas faces. E à face do empobrecimento contrapõe-se a face do enriquecimento não invisível mas escamoteado, ou que se quer apresentar como estando desligado da outra face. E poder-se-ia pedir a ajuda de Almeida Garrett em viagens na minha terra... com a sua dúvida (matemtática) de quantos pobres se faz um rico.

Por isso, escrevo agora, com toda a seriedade, sobre a face "indisível" do enriquecimento. Que é face alegal da estratégia. Alegal porque à margem das leis, porque, como se está a tornar público e evidente, o enriquecimento ilícito só será penalizável desde que se encontrem provas da ilegalidade da origem desse enriquecimento inexplicável e seu branqueamento.

2 comentários:

Olinda disse...

Excelente reflexao!E dizes,muito bem,a situacao ê muito sêria.O papel da comunicacao social tem sido asquerosa.Deixou de haver vistos dourados,deixou de haver a gravidade do caso BES e outros delitos nao menos gravosos.

Beijo

Isabel Lourenço disse...

Muito boa!
Serena e explícita!