sexta-feira, agosto 31, 2007

Afinal foi dito o que eu duvidei ter ouvido...

Quando ouvi, pasmei. E pasmei tanto que pensei ter ouvido mal. Era lá possível! Então o sr. secretário de Estado ia lá dizer uma coisa daquelas...
Mas, pouco tempo depois de eu chegar a casa, logo logo entrava uma familiar, que também tinha vindo a ouvir rádio durante a viagem, e também vinha pasmada. Para mais, essa familiar até é professora - e foi das que "ganharam" o título de titular - pelo que ouvira a conferência de imprensa ainda com mais atenção que eu.
Pois o sexa disse mesmo o que me custava a crer que pudesse ter sido dito por ele e ouvido por mim. Disse que está aberta uma investigação para se saber se não teria havido professores que tivessem informado os seus curriculos abaixo das pontuações a que tinham direito, com intenção de se prejudicarem. Porquê??? Por masoquismo??? Não!... "para descredibilizar o sistema"!!!
Se isto não é doença, não sei o que o será. Ele há cada um!
Ao que leva a incapacidade de assumir falhas... do sistema, e patológicas tendências persecutórias (de perseguido e perseguidor)!

5 comentários:

justine disse...

Há no "espaço governamental" uma desvario generalizado. Será epidemia? Chegará a demência? E se for contagioso?

zambujal disse...

Primeiro, não se vacinaram, depois, não vão às inspecções e consultas e, quando são obrigados a ir, não fazem os tratamentos e não tomam os medicamentos!

mounti disse...

Valha-lhes o Serviço Nacional de Saúde... mas estão a destrui-lo.
Esta autofagia dos humanos!...
Ao menos, os animais de estimação têm um Serviço Especial de Saúde Veterinária. Mas até por aqui há classes.

anónimo do séc. xxi disse...

De heterónimo em heterónimo até ao anonimato final (no séc. xxi).

GR disse...

Não, não é desvario, muito menos demência!
È o novo fascismo!
Os professores ontem, orgulhavam-se de ter uma profissão muito bonita e digna, actualmente este desgoverno fez deles (profs), um grupo de malfeitores, perigosos seres que não trabalham e exturquem dinheiro ao Estado!
Como castigo (!) - não têm colocações, vivem tipo ciganos nómadas e como disse o ministro:” hoje as profissões não são para toda a vida!”
Resta-nos Lutar!

GR