terça-feira, novembro 27, 2012

Uma brutalidade!

Das situações sociais caracterizadoras do Portugal de há (muitas) décadas a que mais me impressionava era a da mortalidade infantil, expressão estatística das vidas ceifadas antes de chegarem ao fim de um ano.

Acabo de ouvir que as estatísticas revelam o óbito de 302 crianças com menos de um ano, mais 46 que há um ano. Isto é, um acréscimo de quase 18%!

Um arrepio na espinha! Que tem de se manter direita.

10 comentários:

Maria disse...

Arrepiante, sim!
Sem mais palavras.

Até amanhã, beijo.

Rogério Pereira disse...

De brutalidade, em brutalidade, até que a paremos...

Havemos de parar!

trepadeira disse...

É uma política assassina.

Um abraço,
mário

samuel disse...

Da próxima vez que alguns anónimos me mandarem para Cuba, como é costume... já têm mais uma para levar pelas trombas!

Abraço.

Olinda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Olinda disse...

Uma referencia de desenvolvimento de um paîs,ê a sua taxa de mortalidade infantil,que tambêm tem a ver com as responsabilidades e preocupacoes dos seus governantes.
Ouvi a notîcia e,achei o comentârio da têcnica entrevistada de um cinismo ,ao desvalorizar a subida da mortalidade infantil.Talvez,fosse premeditadamente escolhida para isso...
Em Cuba,no perîodo especial,91-92,em que nao havia dinheiro para quase nada,a saûde e a educacao,foram preocupacoes prioritârias e,isto sao direitos humanos.


Bjo

Olinda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Olinda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Olinda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Graciete Rietsch disse...

É o regresso ao passado igualmente a preto e branco dado o cinzentismo dos que nos desgovernam.Cinzentismo e maldade, tal como dantes.


Um beijo.