quarta-feira, março 26, 2014

Sobre a renegociação da dívida - a iniciativa na A da R

nos dias de agora:

(...)

Se resumisse a iniciativa (e vou fazê-lo também em intenção do anónimo) diria que foi oportuníssima, embora me pareça que alguns camaradas não sabem muito bem como lidar com o manifesto dos 70…

(...)

Tomei umas notas – aprender, aprender sempre – e estive quase tentado a entrar no debate… mas não o fiz.

&-----&-----&

Parecia-me indispensável reforçar a abordagem que focalizasse a crise do capitalismo e a questão vital da correlação de forças na luta de classes, ou melhor: das correlações de forças no plano planetário, com regresso ao Atlântico, à União Europeia, à Ibéria, a Portugal, à Assembleia da República.

&-----&-----&

 Mas seria uma demasiado longa viagem para tão curto tempo!

&-----&-----&

De qualquer modo, olhando para as notas, tenho lá escrito:
·        Crise… do capitalismo, multi-espacial e multi-facetada
·        A denúncia do carácter estratégico do que se apresenta como erro e se “demagogiza”
·        As características variáveis estratégicas – o desemprego, a dívida

&-----&-----&

Se tivesse tempo – que nunca poderia ter numa iniciativa como aquela – socorrer-me-ia da que está a ser a minha “bengala” do momento.

&-----&-----&

Do Bento de Jesus Caraça. Assim:
·        Pág.17 – Dá-se antão o choque, o qual, mais ou menos volento conforme a questão debatida, interessa em maior ou menos grau os fundamentos da estrutura existente, e nesse choque as força dividem-se em dois campos: o daqueles que querem conservar, ou melhor, fazer sobreviver a si mesmo, um organismo condenado, e o dos que, tomando como lema a nova idea, pretendem ascender, impondo formas novas. O poder revolucionário duma idea mede-se portanto pelo grau em que ela interpreta as aspirações gerais, dadas as circunstâncias do momento em que actua.
·        Pág. 25 – O homem escravo da coisa – eis a grande condenação moral, do regime social contemporâneo (e insisto eu em actualizar: o ser humano escravo da representação imaterializada - o dinheiro - da coisa)
·        Pág, 31 - Eis a grande tarefa que está posta, com toda a sua simplicidade crua, à nossa geração – despertar a alma colectiva das massas.

&-----&-----&

E por aí fora... até porque é inesgotável!

&-----&-----&

Para além de iniciativas destas (muito necessárias e úteis), importaria fazer acções de formação (ideológica!) para que não houvesse (tantas) dúvidas sobre o que é a dívida externa, a diferença entre dívida pública e dívida privada (porquê e como se nacionaliza esta, fazendo com que o público-os trabalhadores-de hoje-ou-de-ontem paguem o que foi privadamente pedido emprestado, em parte para "emprestar ao público”...), se há ou não dívida ilegítima… e aí estou eu a “meter o Rossio na Betesga”, como ontem nem tentei fazer porque não era, nem o momento, nem o sítio.

&-----&-----&


Trouxe trabalho para casa..






de 1974

5 comentários:

Graciete Rietsch disse...

É tudo tão difícil, tanta apropriação indevida de ideias há tanto tempo apresentadas, que eu começo a ficar cansada e, porque não dizê-lo, um pouco desanimada.
Será porque a idade vai pesando e vejo um futuro muito negro particularmente para a minha filha mais nova e os meus netos?!!!
Não sei, mas tenho que vencer o desânimo.

Um beijo.

Olinda disse...

O processo de consciencializacao das massas,torna-se ,hoje,mais dîficil.O poder dominante,encontra-se numa situacao privilegiada e encontrou formas bem subtis,para atingir os seus objectivos.Mas,as revolucoes,teem avancos e recuos e,em todo o mundo,os povos estao em movimento.O povo ê o grande motor da histôria.

Um beijo

Sérgio Ribeiro disse...

Obrigado, amigas e camaradas,
o vosso estímulo tem sido muito importante! Por vós, sei que não estou a falar sozinho,,, e é agradabilissima (além de muito util).
Por favor, mandem-me, por mail, os vossos endereços. É para... uma "prendinha".
Saudações amigas

Sérgio Ribeiro disse...

Obrigado, amigas e camaradas,
o vosso estímulo tem sido muito importante! Por vós, sei que não estou a falar sozinho,,, e é agradabilissima (além de muito util).
Por favor, mandem-me, por mail, os vossos endereços. É para... uma "prendinha".
Saudações amigas

Miguel Tiago disse...

eu por acaso acho que faltaram muitos contributos na iniciativa. todos os que lá não puderam estar e um dos que lá esteve.

grande abraço