segunda-feira, dezembro 03, 2012

Congresso - um rescaldo pessoal e transmissível - 2

Na embalagem da divulgação dos cálculos que realizei sobre o novo Comité Central do PCP, que até podem corrigir algumas aleivosias que, ontem, ao "ouver" a televisão me entraram casa dentro, e perturbaram a necessária recuperação de três dias vividos com enorme intensidade, resolvi também tornar transmissível a intervenção que fiz na sessão reservada aos delegados, para discussão congressual da lista proposta para o novo Comité Central.
Disse (mais palavra menos palavra...) o seguinte:

Camaradas
Camarada Secretário-Geral

Caros Camaradas do Comité Central de 2008-2012
Ao terminar este mandato iniciado no XVIII Congresso, entendo dever deixar-vos uma palavra de fraterna saudação por estes quatro anos de tarefa partilhados.
É com toda a naturalidade que encaro a minha saída do CC, como tarefa para que fui proposto e eleito, e que cumpri. O que não quer dizer que me seja fácil aceitar o que é a única certeza absoluta e indiscutível que tenho e que  decorre da “lei da vida”. De outros aspectos no processo de composição da lista a propor ao congresso tratei nos momentos e nos locais próprios.
A esta saudação quero apenas juntar a observação de que ir para o CC não é – não pode ser! – um prémio ou uma promoção para o militante. O órgão tem as suas características e exigências próprias, bem definidas  e entre nós adoptadas.
Neste momento de estertor da besta capitalista (momento que, em tempo histórico, pode demorar décadas ou séculos... depende da relação de forças, depende da nossa força!), uma última palavra.
Uma última palavra, também de saudação, para os camaradas que sairão deste Congresso com tarefas de direcção:
bom trabalho, camaradas! 

5 comentários:

Justine disse...

Melhor não podia ser!
O beijo para o momento

Manuel Mota disse...

Quem é que decide a saída de militantes do CC e a entrada de outros, e qual os critérios de selecção?
Desculpem a pergunta, mas se for possivel esclarecer me, fico grato, um abraço

Sérgio Ribeiro disse...

A decisão é do Congresso, em sessão reservada aos delegados (na base de 1 por 60 militantes, escolhidos em assembleias plenárias), sob lista proposta pelo Comité Central eleito no Congresso anterior. Essa proposta do CC resulta de proposta dos seus organismos executivos (Comissão Política e Secretariado) depois de consultas às direcções e organismos regionais, com base em critérios cuja elaboração acompanha todo o processo.
O conhecimento de um processo ao mesmo tempo complexo e transparente é fácil... embora dê trabalho. Podem consultar-se os documentos que, ao longo de meses, se elaboraram em todo o Partido.

Olinda disse...

Todos os contributos sao importantes para o partido.


Bjo

Olinda disse...
Este comentário foi removido pelo autor.