domingo, janeiro 06, 2013

Centenário de Álvaro Cunhal

Na sequência de decisão tomada na reunião do Comité Central do PCP, de 1 de Julho de 2012, está em marcha uma iniciativa que assinala o centenário de Álvaro Cunhal.
A resolução então tomada teve o título Vida, pensamento e luta: exemplo que se projecta na actualidade e no futuro e já muito trabalho foi feito.
Desse trabalho foi dado, ontem, conhecimento formal, em reunião de quadros, para se "prestar contas" e discutir o já realizado, e para estimular e avançar com o trabalho futuro.
Foi uma reunião de dia inteiro, com centenas de militantes de todo o País.
Tendo participado nessa reunião, fiz uma pequena declaração, muito longe de me aproximar dos 6 minutos para as intervenções não centrais. Disse:





Camaradas,


Também quero não deixar de sublinhar a importância desta reunião e o significado desta sala repleta.

A formulação “quero não” não é uma “figura de estilo” mas uma lição que aprendi num texto da juventude do camarada Álvaro Cunhal (está no Tomo 1 das Obras Escolhidas).

O Partido não quer esquecer Álvaro Cunhal… perdão!, o Partido quer não esquecer Álvaro Cunhal e seu contributo em todas as suas vertentes. Práticas e teóricas.

O que não se pode esgotar neste ano de comemorações do seu centenário, que antes deve ser um passo para melhor se conhecer e aproveitar, no nosso trabalho militante quotidiano, o seu exemplo, a lição da vida deste camarada decisivo para o que somos e para o que continuaremos a ser.


No meio das dezenas de intervenções foi apenas mais uma, quase só para afirmar presença.

No entanto, tendo-me saído aquela distinção do Álvaro entre "quero não" e "não quero", hoje, em domingo caseiro, fui lá, ao Tomo I das Obras Escolhidas, e aproveito para precisar a (e beneficiar da re-) leitura:

(...)
(...)
De um artigo publicado no jornal Liberdade, nº 249, 17 de Fevereiro de 1935, tinha Álvaro Cunhal 21 anos!

6 comentários:

Graciete Rietsch disse...

Muito importante e significativa a diferença entre as expressões "quero não" e "não quero". A primeira é muito mais afirmativa.
Eu também quero "não esquecer" a lição de vida(palavras tuas) deste nosso camarada.

Um beijo.

Rogério Pereira disse...

De certeza que vou fazer deste teu, um post meu. :))

(estou a escrever um post semanal, numa decisão em contribuir com o meu blogue na homenagem. Aproveitarei para, também, ir divulgado as iniciativas que forem acontecendo...)

Sérgio Ribeiro disse...

Graciete - mais uma das muitas lições do camarada Álvaro (com 21 anos!). Querer é, ou pode ser, uma afirmação de vontade.

Um beijo

Rogério - Fico muito contente! Este espaço internético também tem de ser ocupado por esta iniciativa, que é de luta. E o camarada Álvaro ajuda muito como sempre.

Um abraço

Justine disse...

Bem sublinhada a importante diferença das duas formulações!

GR disse...

A nossa iniciativa será no dia 15 de Fevereiro, depois darei mais notícias.
Assim vamos aprendendo, com o camarada Álvaro, com o camarada Sérgio, entre outros.
Este post não pode ficar aqui, tem que entrar na casa de cada um.
Parabéns, gostaria de te ter ouvido.

Gd BJ,

GR

Olinda disse...

O ano vai ser curto para as iniciativas de homenagem ao sempre presente camarada,nas nossas lutas,e tambêm nos actos mais simples.Essa presenca,ê bem real,nao tem nada de divino,pois Âlvaro Cunhal,ê um homem maior da histôria do nosso povo.
Tambêm jâ sugeri,na minha organizacao,fazermos um cafê concerto,com poesia e textos de Âlvaro.

Beijo