sexta-feira, março 05, 2010

Reflexões... lentas - (algumas) coisas incompreensíveis se...

Como se pode compreender que:
1. tendo o ser humano tanto avançado no domínio da natureza para a colocar ao seu serviço, haja tanta riqueza e tanta pobreza, cada vez maiores uma e outra?;
2. esse domínio do ser humano sobre a natureza – de que sempre fez e continuará a ser parte – possa ter a forma de agressão à natureza e, natu(rez)almente..., a si próprio?;
3. criados tantos e cada vez mais meios para ajudar no aproveitamento da natureza para satisfação das suas necessidades, em vez de seres humanos cada vez mais livres de tarefas haja cada vez mais desemprego?;
4. coincida a enormidade do desemprego e a verdadeira (e estimulada) fuga para reformas antecipadas com dificultação nos subsídios de desemprego e soma de anos à idade de reforma?;
5. as decisões políticas para “economias nacionais” sejam determinadas por entidades fantasmas, descendentes de FMIs, com nomes arrevesados (ratings…), sem qualquer legitimidade, apenas com base em critérios de acumulação de capital financeiro?;
6. simultaneamente se conheçam lucros nos bancos de 1700 milhões de euros, isto é, rendimentos do que nada produz, e se faça preparação psicológica (terrorista) para vir a diminuir salários e meses de salário, isto é, rendimentos dos trabalhadores?;
7. tudo isto (e muito mais) seja aceite e defendido, ou como fatalidade ou como filantrópica criação de condições para um prometido (e repetida promessa de) melhor viver futuro para os seres humanos?...

-
Tudo isto (e muito mais) se pode compreender se… se quiser conhecer como funciona este sistema com base nestas relações sociais.

6 comentários:

Graciete Rietsch disse...

Pois! É sempre o mesmo problema. Por que razão o progresso e o cada vez maior avanço da Ciência só provocam desemprego e maior concentração de capitais?
Quem devemos culpar aquando da Revolução Industrial, os operários que destruiam as máquinas ou os patrões que os despediam?
A culpa é sempre do sistema político.
VIVA O SOCIALISMO.
Será que fiz um comentário ao teu blog ou pus-me para aqui a divagar?
Um beijo.

Anónimo disse...

"Numa sociedade abjecta cada
progresso é um retrocesso".
Karl Marx

aferreira disse...

É de facto a tarefa actual pôr à discussão estas questões, tão actuais e tão verdadeiras, que tocam a todos, jovens e menos jovens, empregados e desempregados,licenciados e não licenciados... questões que tocam a todos que vão de uma forma ou de outra agravar ou melhora a qualidade de vida de cada um não deixando ninguém de fora.
Tudo dependendo do que as pessoas estejam dispostas a fazer.
-Nunca como hoje as palavras da grande revolucionaria Rosa Luxemburgo fizeram tanto sentido.
-- Socialismo ou Barbárie!

Antuã disse...

Desde os tempos dos governos do repelente soares que nos prometem o paraíso após os sacrifícios. E Cada vez mais estamos piores.

Fernando Samuel disse...

Pois, é o capitalismo...

Um abraço.

Nuno Hélder disse...

Por muito que o Homem pense que domina a natureza, e faz dela o que quer e necessita, a força desta natureza será sempre superior a qualquer avanço humano.

Em ciência diz-se que qualquer sistema que seja perturbado, tende para um novo equilíbrio.

E o planeta Terra não será um sistema?

(Retórica... ou talvez não!!!)
Cumprimentos