quarta-feira, junho 21, 2006

E eu que...

E eu que gosto tanto de desporto...
e eu que tanto vibrei, há 40 anos, com os "magriços"...
e eu que, aqui por Ourém de onde sou e vivo, muito do que, hoje, sou e faço tem a ver com o hóquei, a patinagem, a natação, o futsal...
e eu que abomino o falsamente intelectual distanciamento "dessas coisas do pontapé na bola"...
e eu que arranjo os horários para ver relatos televisivos dos jogos em que Portugal joga...
e eu que desejo (ou desejava?) que a equipa portuguesa vá ganhando (jogando o que e como jogar pode e sabe) até à final e na final...

eu que isto tudo... estou nauseado
não suporto esta provocada histeria
não colocarei nenhuma bandeira nacional/BES em nenhum lugar que por mim seja controlado
recuso-me a ouvir rádio, a ver televisão (fora do horário dos relatos... e com o som off)
nunca me sentirei ser dos melhores do mundo (porque sei não ser dos piores do mundo!)

eu... acuso!
acuso quem (terceiros e desconhecidos... ou nem tanto) me tirou o prazer de acompanhar a carreira de uma equipa de portugueses seleccionados para representarem Portugal talvez até à vitória (na) final
acuso quem (terceiros e desconhecidos... ou nem tanto) me faz, contraditoriamente, (também) desejar que a equipa de futebol dos amigos e protegidos do sr. Scolari não ganhe o torneio que está a decorrer na Alemanha.

9 comentários:

Pedro Gonçalves disse...

Amen. Como eu me revejo no teu texto Sérgio.

Anónimo disse...

Hoje foi o 1º dia de Verão.
Ninguém falou do Sol. Só ouvi falar da “bola”.
Não sei se estou triste ou indiferente!
Sei que já não conheço este país!

GR

betinha disse...

Subscrevo!

zemanel disse...

Eles andam é a chutar para canto, para ver se distraem a malta.
Viva o futebol! abaixo o nacional futebolismo. Espírito Santo, amen.
Não tentem pôr-nos fora de jogo...

miguel disse...

embora não chegue ao ponto de desejar que a selecção nacional de futebol perca, confesso que cheguei a torcer por angola de tão raivoso que estava com o que se tem passado em torno deste mundial. A questão é mesmo essa:
"e eu que até gosto de desporto..." então, quem desfez o desporto que havia no futebol e o transformou num mero espéctulo comercial, que acaba por servir também como catalizador de alienação de massas?

Sérgio Ribeiro disse...

Olá, pedras contra canhões. É bom ver-te por aqui!
Eu também não desejo que a selecção nacional de futebol perca mas - contraditoriamente - não estou lá muito inclinado para desejar que o grupo de amigos e protegidos do sr. Scolari (que dele amigos são e tanto o protegem como se fosse uma vaca sagrada lá das Índias) ganhe o campeonato do mundo com as consequências fáceis de prever: prolongamento inusitado da histeria e da alienação.
Por isso é que acuso os causadores desta contradição em que estou. Bem bastam as que são próprias de cada um e tenho com que me coçar...

Anónimo disse...

não sejas assim, pá. Todos assistimos a isso, mas apesar de tudo vale a pena ver os jogos, o problema está em ser bombardeado individualmente. É preciso procurar ajuda psicológica, terapia de grupo, em qualquer tasca ou café das redondezas. Não ligues tanto à gritaria, porque pode confundir. Digamos mal, mas não percamos o gosto pelo jogo e pelas vitórias, quantas mais melhor, porque hão-de ficar. A bola a quem a aprecia. gmr

Anónimo disse...

Depois de amens e de não sejas assim, pá, só me apetece dizer porra. E digo! Vocês perceberam-me, carago. Não me estraguem aquilo de que gosto... e tenho travar a linguagem soez para que me está a puxar o chinelo.
A minha pátria é outra. Até a minha pátria do futebol é outra. Não me lixem!
Isto é intoxicação patrioteira. Isto é estarem a tratar-nos como se todos atrasados mentais fossemos.
Aquela "pérola" do sr. Scolari a fazer propaganda à SIC como se fosse o pastor-mor da igrega do 7º jogo, jogo que será a ida à final se deus quiser, é de antologia. E as quotidianas ou horárias conferências de imprensa com os jogadores a falarem, a falarem, a falarem sem nada dizerem a não ser que o tal pastor é o melhor da manada e excomungado seja quem dele se atreva a dizer que, por exemplo, é brasileiro.
Mas eu atrevo-me a dizer que o gajo é um demagogo do caraças e está a desequilibrar o orçamento português. Que me perdõe o sr. Figo e que o sr. Costinha, o "ministro", não me mande prender.
E como o chinelo não não me larga, estou com(o) o governo "vão parir para Badajoz"!
Tenho dito, hoje que acordei assim e só paro amanhã nos oitsvos de final. E vou pôr isto em post? Talvez... ainda não decidi.

Anónimo disse...

falou e disse, amem!