quarta-feira, outubro 31, 2007

Princípios... - 8

4. - O princípio e os seus usos
ou
a falta de rigor no (ab)uso da aparência do rigor
.
o princípio do rigor (continuação e final)
.
Porque se faz isto?
Para a imagem. Para que se fique com a ideia que se dominam, até ao mínimo pormenor, saberes e técnicas inacessíveis ao comum dos mortais (ou aos mortais comuns), e assim se fundamentar políticas que só os “sábios” estão em condições de definir e prosseguir.
.
Saindo da consideração em abstracto – embora a referência ao mítico défice orçamental, e aos 3,00%, já seja “ponte” para a realidade concreta da nossa política – não fujo a dizer que Vítor Constâncio, governador do Banco de Portugal, ilustra esta postura do “rigoroso sem mácula”, sempre com “números certos” na manga ou debaixo da gravata.
.
Do cadeirão onde foi colocado como supra-partidário – ele que foi secretário-geral de um dos partidos que alternam no poder –, com o seu ar sério (alguém viu o homem rir?), atira-nos com o seu rigoroso rigor, com o “número certo”, nos momentos apropriados, e o que diz ecoa como se fossem verdades indesmentíveis. Ai do “ignorante” que se atreva a pôr em causa a sapiência de quem tão sapiente é, ou o mostra pelo ar e postura.

Mais depressa se apanha um “rigoroso” que um coxo…
No entanto, as coisas estão a correr mal, ilustrando também como tudo é efémero, e não há “número certo” que resista ao confronto sério com a realidade.
Nem venho aproveitar as escorregadelas das faltas de rigor que se descobriram em documento ou relatório que não as poderia ter para poder ser o que queria apresentar-se como sendo. Venho, só, trazer dois episódios que me parecem elucidativos.
.
Tem o Banco de Portugal (BP) a tarefa de anunciar previsões quantificadas da evolução da economia portuguesa. O que é muito necessário, e se vai tornando indispensável.
Tem, o BP, os dados todos, alguns que só dele são. Pois a penúltima previsão de crescimento do tal PIB português era de 1,6% e a última, um trimestre depois, passou a ser de 0,5%. A previsão de um indicador passa, num trimestre, a ser de menos de um terço do que foi! Que credibilidade se pode dar a quem se nos apresenta como sendo a credibilidade em pessoa?
.
Depois, outro episódio que é mais para o caricato.
Quem, Vítor Constâncio, se toma os ares que lhe fazem a imagem e afivela a postura da intangibilidade, reage mal a que se lhe pergunte se pensa aplicar a si a contenção salarial que defende (sempre!) que seja aplicável aos que ganham em 3 a 4 anos o que ele ganha num mês, e, perturbado, dá uma prova de ausência de rigor onde o rigor seria possível e fácil.
.
Na verdade, argumentar que o preço do barril de petróleo é de “50 e tal dólares” (!?), mostra total ausência de rigor quando se podia (e devia) dizer, naquele dia, esse preço em número exacto, esse sim certo, e que conhecido de SEXA. deveria ser[1].
.
É isso, mais depressa se apanha um “rigoroso” que um coxo!

_______________________________________
[1] - às 10.45 de 13.07.2005, o “barril de brent" para entrega em Agosto subia 22 cêntimos face ao fecho da véspera, para 59,04 dólares no mercado electrónico de Londres; em Nova Iorque, o barril de referência transaccionava-se a 60,65 dólares, em alta de 3 cêntimos em relação ao fecho da véspera.

2 comentários:

Esquerda Comunista disse...

O Bloco de Esquerda admite in

http://www.esquerda.net/media/BE_Lx071031.pdf

o despedimento colectivo na CML que sempre jurou que não aconteceria...

Três semanas após se ter congratulado com "A importante conquista dos trabalhadores avençados da CML” segundo a qual nenhum nenhum trabalhador precário seria despedido mas, antes pelo contrário, admitido ao quadro de pessoal da CML por graça e obra da acção política do Zé e do grande acordo de coligação assinado com o PS para governarem a câmara a meias... O Bloco de Esquerda vem agora insurgir-se contra os despedimentos que efectivamente estão a decorrer!

Francisco Louçã JUROU num plenário de militantes do Bloco que não haveria despedimentos! Inclusivé foi ao cúmulo de acusar de má fé e de ignorância aqueles militantes do BE que defendiam a perspectiva de que o acordo de "restruturação financeira" da CML iria implicar ataques aos trabalhadores da autarquia e ao povo de Lisboa. Das duas uma: ou o Francisco Louçã mentiu com todos os dentes que tem mais alguns já careados ou não passa do "idiota útil" nas mãos do Costa e do PS.

Uma coisa é certa: nos últimos 2 meses o Bloco outra coisa não tem feito senão desmobilizar, confundir e iludir os trabalhadores precários da CML com promessas ocas e truques de propaganda rasteiros e agora vem "solidarizar-se" com eles...

Querem ser solidários? Rompam o acordo PS/BE!

O mesmo Bloco de Esquerda que acusou as estruturas sindicais de demagogia e de serem "correias de transmissão do PCP" vem agora, fingir-se de "virgem ofendida", exigir e protestar, contras as medidas da CML em cujo governo participa... como senão participasse nele!

Os dirigentes do Bloco de Esquerda que firmaram o acordo de coligação com o PS para governar Lisboa são cumplices morais, sócios menores, mas co-responsáveis por todos e cada um dos despedimentos de trabalhadores precários que já sucederam, estão a acontecer e que vão prosseguir.

É altura de romper o acordo, ou será que as ambições políticas de Sá Fernandes valem mais do que 1000 trabalahdores precários? Ao manterem a coligação PS/BE estão a caucionar politicamente uma vereação que ataca os trabalhadores da CML e o povo de Lisboa. Não julguem que ficarão impunes!

Rui Faustino
militante 2800 do BE
sócio 10511 do STML

trabalhador precário da CML há 7 anos e uma das possíveis vítimas da "maravilhosa" coligação PS/BE

Sal e Pimenta disse...

Também concordo que há um grande abuso desse suposto rigor, que mais não é que show-off.

Parabéns pela chamada de atenção.

Mas também compete a quem lê e ouve o que se diz, interpretar, filtrar, decifrar, etc.

Só para testar a ideia de que primeiro se tende a falar e só depois a interpretar, há pouco tempo eu disse num grupo de amigos: "disse hoje no telejornal que amanhã a temperatura vai estar entre os -10º e os 40º positivos."
A pergunta imediata de um deles foi: "Onde?"