quarta-feira, julho 24, 2013

Ex-citação - Até quando?...


Discurso de Cícero contra Catilina

I

Até quando, ó Catilina, abusarás tu da nossa paciência? Por quanto tempo ainda há-de zombar de nós essa tua loucura? A que extremos se há-de precipitar a tua audácia sem travão? Nem a guarda do Palatino, nem a ronda nocturna da cidade, nem os temores do povo, nem a afluência de todos os homens de bem, neste local tão bem protegido para a reunião do Senado, nem o olhar e o aspecto destes senadores, nada disto consegue perturbar-te? Não sentes que os teus planos estão à vista de todos? Não vês que a tua conspiração a têm já dominada todos estes que a conhecem? Quem, de entre nós, pensas tu que ignora o que fizeste na noite passada e na precedente, em que local estiveste, a quem convocaste, que deliberações foram as tuas? 

Oh tempos, oh costumes! O Senado tem conhecimento destes factos, o cônsul tem-nos diante dos olhos; todavia, este homem continua vivo! Vivo?! Mais ainda, até no Senado ele aparece, toma parte no conselho de Estado, aponta-nos e marca-nos, com o olhar, um a um, para a chacina. E nós, homens valorosos, cuidamos cumprir o nosso dever para com o Estado, se evitamos os dardos da sua loucura. à morte, Catilina, é que tu deverias, há muito, ter sido arrastado por ordem do cônsul; contra ti é que se deveria lançar a ruína que tu, desde há muito tempo, tramas contra todos nós. 
Pois não é verdade que uma personagem tão notável. como era Públio Cipião, pontífice máximo, mandou, como simples particular, matar Tibério Graco, que levemente perturbara a constituição do Estado? E Catilina. que anseia por devastar a ferro e fogo a face da terra, haveremos nós, os cônsules, de o suportar toda a vida? E já não falo naqueles casos de outras eras, como o facto de Gaio Servílio Aala ter abatido, por suas próprias mãos, Espúrio Mélio e quem alimentava ideias revolucionárias. Havia... havia outrora nesta República uma tal disciplina moral que os homens de coragem puniam com mais severos castigos um cidadão perigoso do que o mais implacável dos inimigos. Temos um decreto do Senados contra ti, Catilina, um decreto rigoroso e grave; não é a decisão clara nem a autoridade da Ordem aqui presente que falta à República; nós, digo-o publicamente, nós, os cônsules, é que faltamos. 

(...) 

4 comentários:

samuel disse...

Bem... por essas e por outras o império romano acabou por cair... :-) :-)

Abraço.

Sérgio Ribeiro disse...

... e estes imperiozinhos também cairão, escavacados!

Um abraço

Graciete Rietsch disse...

Mesmo com semelhantes cônsules!!!!

Um beijo.

Olinda disse...

A oratôria de Cîcero bem adaptada ä nossa triste realidade.

Um beijo